Conflitos sempre geram grande desconforto e interferem na nossa paz de espírito.

Seja como for, por vezes é cansativo ter ao nosso lado uma ou mais pessoas que criticam tudo, que contam fofocas, que sempre buscam brigar, que reclamam sistematicamente e que distorcem a realidade quando lhes convém, gerando discussões em ambientes em que reinava a paz.

Em razão disto, infelizmente muitas vezes é fundamental nos distanciarmos, principalmente emocionalmente, destas pessoas. Não podemos permitir que a negatividade delas nos absorva. Não devemos internalizar seus ataques e assumir suas ofensas. Até porque, podem ir muito fundo e afetar nossa autoestima.

Todos nós indiscutivelmente possuímos luzes e sombras, com isto, se não tomarmos os devidos cuidados, também podemos nos tornar pessoas conflitantes.

Portanto, quer seja em momentos ou em certos ambientes, todos nós podemos nos tornar pessoas conflitantes. Quando desestabilizados e rancorosos, possuímos a tendência de nos comportar como um guerreiro ansioso por vingança. Porém, nada deve ser motivo para amarmos ou respeitarmos menos. Seja nosso cônjuge, filhos, nossos pais, irmãos, amigos e companheiros de trabalho. Devemos refletir muito sobre isso.

Ser uma pessoa conflitante, talvez seja o resultado de estar em guerra com nós mesmos e isto necessariamente não quer dizer que somos um saco sem fundo de maldade.

O fato é que: cada um de nós daremos aos outros o que possuímos no nosso interior, seja agradável ou não.

E voltando ao nosso cotidiano, não podemos permitir que os outros nos arrastem para suas tempestades. Por quê? Vamos lá:

Se alguém desejar nos presentear e por alguma razão não aceitarmos, a quem pertence o presente? A quem tentou nos presentear. Ou seja, o mesmo deve valer para os insultos, a raiva e a inveja. Quando não os aceitamos, continuam pertencendo à pessoa que os carregou.

Nós devemos aprender a lidar com pessoas conflitantes. E acima de tudo, não devem nos arrastar para seus conflitos. E, necessariamente

o problema nem sempre é aquele que nos prejudica, mas aquele que replica o mal inúmeras vezes. Podemos deixar suas palavras irem com o vento ou, ao contrário, absorvermos. Imagino que ninguém vai duvidar do que é o melhor.

Temos de fortalecer aquelas áreas da nossa vida que são menos desenvolvidas e assim poder compensar nossos desequilíbrios. Um dos aspectos destrutivos desta nova era é a indefinição das fronteiras entre nossas emoções e nossa razão na vida diária. Nos dias atuais, uma vida saudável (espírito, alma e corpo) é praticamente uma utopia, mas temos de buscá-la.

Nem o coração e nem a nossa mente são infalíveis. Se nos agarrarmos ao primeiro podemos nos machucar, mas se nos agarrarmos ao segundo podemos acabar vivendo uma vida cinzenta. Nem a cautela e nem a ilusão são suficientes por si só, é necessária uma combinação de ambas para uma vida equilibrada. E como consequência, menos conflitante.

Ou seja, numa batalha entre nossa mente e nosso coração, precisamos tentar identificar quais mensagens cada um nos envia e encontrar um equilíbrio entre os dois.

Enfim, nos afastar de pessoas conflituosas não é apenas uma questão de conforto ou desprezo, mas de saúde mental. Até porque, existem atitudes que nos desequilibram tanto… que nos bloqueiam e nos impedem de nos realizarmos, pior, submetendo totalmente nosso bem-estar emocional.

O fato é que todos sabemos que relacionamentos nem sempre nos trazem algo positivo, embora realmente esperemos que sim. E mesmo tendo consciência disso, não é difícil perceber o quanto alimentamos trocas tóxicas.

Assim, nos deparamos com o triste panorama de viver em relacionamentos conflitantes com pessoas que não nos trazem sinceridade ou boas emoções. Ou seja, apenas trocas carregadas de interesses e egoísmos. Portanto, para crescer, devemos aprender a ignorar certas pessoas em determinados momentos.

Todos nós, bem lá no nosso interior…, deveríamos saber como a vida é maravilhosa, principalmente quando somos felizes e aspiramos essa felicidade todos os dias.

Nosso estilo de vida sempre estará interligado à nossa mente e deriva da nossa forma de ser, de como queremos enfrentar os problemas e como encaramos as nossas relações pessoais. Tudo isso condiciona a nossa forma de sentir. Por isso é importante decidir como queremos viver e que estilo de vida desejamos para nós!

Os pensamentos e nossas palavras têm poder. Por isso, se a nossa mente estiver carregada de emoções negativas e palavras destrutivas, nós nos sabotaremos de mil e uma maneiras ao longo do dia. Com isso, o mal-estar será grande e a vida vai parecer uma batalha sem trégua.

Poderia aqui citar inúmeros textos das Sagradas Escrituras que nos revelam a importância de abrirmos a nossa boca para o bem e não amaldiçoar. Mas quero resumir em apenas um que traduz, de maneira sublime, a força que há nas palavras que proferimos: “A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto” (Provérbios 18.21). Consegue imaginar a extensão e a gravidade disso? Com ela, podemos produzir vida ou matar.

Vamos dar uma olhada mais de perto no que devemos aprender e a ignorar!

Que possamos aprender a conviver sem nos machucar com pessoas conflitantes e tomar todas as ações necessárias para não nos tornar como elas.