Garbatella um bairro novo, mas repleto de história!

Garbatella não é nada turística, em relação a tudo que Roma possui, porém, já foi cenário de muitos filmes italianos. 

140
Acervo pessoal/Murilo Moro e Talita Meira

 Garbatella, é um quarteirão histórico de Roma, e localizado no bairro chamado Ostiense. 

Começou a ser construído no dia 18 de fevereiro de 1920, durante o Facismo. 

É um dos bairros mais jovens de Roma. 

Estamos tendo o privilégio de estarmos hospedados aqui, para cuidar de duas gatinhas, pois os donos viajaram. O pequeno prédio, é rodeado de muitas árvores, passarinhos e maritacas estão sempre presentes nos galhos e nas janelas, trazendo aquela sensação de aconchego, de lar. 

Garbatella não é nada turística, em relação a tudo que Roma possui, porém, já foi cenário de muitos filmes italianos. 

 Aqui o verão está terminando, mas conseguimos ver entre suas ruas silenciosas e floridas, a diferença de arquitetura e atmosfera. 

A arquitetura é conhecida como “barocchetto romano”.

Geralmente quem vem para este bairro, é porque mora aqui. 

 

O bairro é constituído por lotes, como se fossem pequenas vilas, projetados para hospedar operários que iriam trabalhar na construção de um canal, que iria de Ostia até o Rio Tevere (Tibre). 

Mas esse canal nunca saiu do papel. 

Entre praças, jardins graciosos, e até um teatro – Teatro Palladium, que agora é administrado pela Universiade de Roma Tre, em Garbatella, existe uma pequena fonte, no pé de uma escadaria onde os casais se encontravam depois da segunda guerra – La Fontana Carlotta e até hoje os romanos dizem que se você atravessar essa escadaria, você terá sorte no amor. 

Às vezes, precisamos nos apegar a essas superstições para continuar seguindo a vida de maneira mais leve, e os italianos, são muito supersticiosos em muitas coisas na vida. 

 

Já no ano de 1928, 4 albergues foram construídos, inicialmente para hospedar as pessoas que precisaram deixar as suas casas no centro de Roma, por causa das transformações urbanas no período do facismo. 

 Dentre esses albergues, o que mais se destaca é o Albergo Rosso (vermelho) que possui um grande relógio no topo, e que por muitos anos ele era parado às 11:25 para relembrar o horário dos bombardeios durante a guerra em 1944, hoje ele funciona normalmente. 

 Podemos dizer que durante esses 100 anos, Garbatella passou e ultrapassou a crise do liberalismo, o nascimento do fascismo, a consolidação do regime e, depois, a guerra, a queda de Mussolini, a resistência, a reconstrução civil e democrática, a formação de partidos em massa na primeira República.

Era em Garbatella, que muitos partigianos (civis que lutaram na resistência contra os fascistas na Itália)se refugiavam, de um simples bairro operário, Garbatella é considerada um dos melhores locais para viver, na tão deslumbrante e caótica Roma. 

Imagens:acervo pessoal/Murilo Moro e Talita Meira

 

Talita Meira, 36 anos Natural de Pirassununga, interior de SP Publicitária de formação Marketeira de especialização Escritora de coração – siga @paragrafeii Eterna viajante Amante de fotos, natureza, esportes e culinária Me considero uma pessoa divertida, sensível e intensa. Tem coisa que você aprende, só depois que você cruza o oceano. Desapegar é um estilo de vida, vai por mim! Murilo Moro, 30 anos, atleta por opção, bartender de profissão, saiu do Brasil com 18 anos em busca de um sonho, já morou em 4 países diferentes, e visitou outros tantos, apaixonado por línguas acabou aprendendo 4, obcecado pela cultura alheia e pelas diferenças entre elas. Aprendiz, que tem muito a ensinar.