Dirceu Magri Miscelânia

Hipocrisia quotidiana

Redação
Escrito por: Redação

Por Dirceu Magri – “Amo Platão, mas amo muito mais a verdade.” A fala é de uma personagem e são duas as razões pelas quais dela me aproprio: primeiro, porque não acredito em absolutos, seja no sentido aristotélico, seja no sentido pragmático, que traduz tudo aquilo que não se deixa falsear; depois, porque a hipocrisia ronda o quotidiano, está sempre à espreita e nos fustiga, também diariamente.

A ética, dizem, é fazer o correto quando não se tem uma câmera a registrar suas ações. Ora, evoluímos muito e sequer trazemos à definição a intenção, o caráter. Desse modo, o caráter é relativo, tudo depende do grau de exposição. O complicador maior, creio, é que em nossos dias, mesmo sob os holofotes a hipocrisia e a falta de ética ganham foro privilegiado e de verdade.

Tomemos alguns exemplos aos quais já nos habituamos: o presidente da república indica o novo diretor da polícia federal (isso mesmo, tudo em minúsculas!); pois bem, na tal da nomeação do novo ‘servidor’ (e o nome vem bem a calhar), o recém nomeado orbita em torno do presidente e seus asseclas, todos investigados por corrupção. Em seu discurso, o mais novo servidor presidencial, digo, da polícia federal, diz pretender combater a corrupção com unhas e dentes.

A plateia, composta por outros servidores ilibados e pela imprensa, participa do ritual como se estivesse diante de um absoluto pragmático, o que não deixa de ser irônico. Discurso feito, essa mesma imprensa, tão absoluta quanto o novo diretor, passa a entrevistá-lo; e é nesse exato momento que o servidor corrompe sua imparcialidade irônica, afirmando que uma malinha ou outra de dinheiro não quer dizer absolutamente nada! No mais, um cidadão qualquer que tenha lá no fundo da alma um resquício de bom-caratismo, sentir-se-á ultrajado face a exponencial hipocrisia.

A hipocrisia é uma senhora idosa. E está aí uma ex-presidente que não me deixa mentir, também ela partidária do absoluto e da ética, razão de seus discursos memoráveis. O fato é que a hipocrisia não só divide o prato que comemos, como, às vezes, faz uso do nosso próprio garfo, tornando hipócritas a nós mesmos. Nas relações de trabalho isso é matéria comum. A amizade muito comumente tem seus dois lados, o particular e o público. Nessa lógica, vale o velho adágio de confiar desconfiando.

A hipocrisia, como visto no início dessa nossa prosa, não só está presente nas altas esferas públicas, moldando sua estrutura, mas serve de arcabouço para a sustentação dos pequenos poderes. Nas universidades, por exemplo, comumente se confunde o público e o particular. Funcionários reinando há algum tempo em determinado território, apropriam-se do público em proveito de seus próprios interesses e dos interesses de seus amigos e protegidos. A vida acadêmica, relativizada, resume-se a ‘panelas’, estas, digamos, nem sempre pautadas pelo intelectual, se é que me entendem.

Os concursos públicos são o exemplo mais claro e evidente de como as estruturas espúrias se articulam. Tudo é feito e arquitetado dentro de uma clara e evidente transparência, contudo, nas arrrières boutiques, como dizia Montaigne, os resultados são publicados em ‘secreto’ antes mesmo de os editais virem à luz. Funcionários e servidores agem hipocritamente, atuam, às vezes, porcamente, e acreditam que as demais almas sequer desconfiam dos ardis que se tramam à vista de todos.

Diante disso tudo o que fazer? Não sei, caro leitor. Definitivamente, não sei. Mas há sempre duas saídas: nos acostumarmos, e assim nos tornamos a cada dia um pouco mais hipócritas, ou fazermos como Rousseau, retirarmo-nos para as montanhas, tal um promeneur solitaire. Mas, como dizem os mais aquiescentes, o conhecimento só vem com lágrimas, agonia e dor, sempre temperadas com alguma pitada de decepção.

Imagem: Reprodução

Sobre o autor

Redação

Redação

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: