Eleições 2018

Horário eleitoral gratuito na TV, a ‘bala de prata’ que busca a campanha de Alckmin

Redação
Escrito por: Redação
Por que o tucano aposta tanto na exposição televisiva da candidatura com mais tempo de TV. Boa parte do país ainda não se atentou para a disputa e imagina que ele segue governando São Paulo.

Um copo de leite que representa o desemprego é perfurado à bala. Em seguida, surgem novos projéteis. Atravessam uma jarra com água onde se lê falta de saneamento, uma fileira de livros que destaca a palavra analfabetismo, uma bolsa de sangue retratando as filas da saúde, um melão que apresenta a fome. Em seguida, uma nova bala, que para a centímetros da cabeça de uma criança e se dissolve na mensagem: “Não é na bala que se resolve.” A primeira propaganda divulgada pela campanha de Geraldo Alckmin(PSDB), uma paródia de uma campanha pelo desarmamento britânica, é um recado velado a um de seus principais alvos: o extremista Jair Bolsonaro (PSL). É dele que o tucano pretende roubar eleitores de direita, que ainda não estão tão seguros se darão, de fato, seu voto ao militar. Para isso, o tucano confia no que acredita ser sua bala de prata: o tempo de TV.

Com nove legendas em sua coligação, a maior dentre todos os presidenciáveis, Alckmin garantiu 5 minutos e 32 segundos a cada programa eleitoral de rádio e TV. Uma vantagem que ele pretende explorar nas próximas cinco semanas para tentar desfazer as amargas estatísticas que o cercam até o momento: 6% dos eleitores afirmam ter intenção de votar nele, segundo o último Datafolha, e 82% dos brasileiros acreditam que ele ainda segue em sua rotina de governador, apesar de ter deixado o comando do Governo de São Paulo há quase cinco meses, destacam sondagens internas tucanas.

A afirmação de que a campanha só começa após o início do horário eleitoral virou um mantra na campanha tucana, e Alckmin o repete sempre que questionado sobre o mau desempenho nas pesquisas. O primeiro desafio dele é ultrapassar Bolsonaro. Confia, para isso, em dados como o do último levantamento do site Poder360 onde apenas 8% dos eleitores do militar afirmam que votariam “com certeza” nele. Outros 17% dizem que “poderiam votar”. Bolsonaro é ainda o mais rejeitado pelo eleitorado —39% diz que não votaria nele de jeito nenhum; entre as mulheres, a taxa sobre para 43%, aponta o último Datafolha.

Antes de partir para o ataque, contudo, o PSDB deve aproveitar o horário eleitoral para apresentar seu candidato na esperança de motivar a população a votar. A primeira propaganda, que foi ao ar na tarde deste sábado, procurou humanizar Geraldo, um homem “que entrou na política porque gosta de cuidar dos outros”. Apresentou ainda fotos históricas da vida pessoal e política do tucano e depoimentos de médicos e amigos sobre seu trabalho. “Não dá para errar de novo”, dizia seu jingle, ao mostrar uma foto discreta de Bolsonaro.

As pesquisas internas da campanha também apontam desilusão no eleitor, que precisa ser convencido a deixar a própria casa no dia da eleição. Quando chegar a hora de atacar Bolsonaro, os tucanos têm certeza de pelo menos uma de suas estratégias. A campanha de Alckmin submeteu o embate no debate da RedeTV!entre a ex-ministra Marina Silva (Rede) e o deputado do PSL, em que a candidata colocou em xeque a postura machista do oponente, a um grupo focal. E 100% dos participantes apontaram vitória da candidata da Rede. Essa informação será usada na hora de machucar a imagem de Bolsonaro, especialmente entre as mulheres, tentando aumentar ainda mais a rejeição a ele neste grupo. Por isso, o tucano abriu seu primeiro programa com a narração de uma mulher negra afirmando que “não dá para votar com raiva”.

Campanhas falhas

O histórico recente das campanhas tucanas, entretanto, não é bom. A última realmente efetiva no contexto presidencial foi a de José Serra, em 2002. Na ocasião, o candidato tucano tirou o segundo lugar nas pesquisas de Ciro Gomes, então no PPS, em apenas 20 dias de propaganda eleitoral gratuita. Serra começou seu programa expondo uma gravação em que Ciro chamava um ouvinte de “burro”, mas, apesar de levá-lo ao segundo turno, as estratégias não foram suficientes para impedir a derrota para Luiz Inácio Lula da Silva naquela eleição. E nas últimas três eleições, as campanhas do PSDB só se destacaram pelas suas falhas. Em 2010, por exemplo, usou favelas cenográficas na campanha de Serra. Liderados pelo marqueteiro Luiz Gonzalez, os tucanos se defenderam das críticas depois alegando que a legislação eleitoral proibia a exibição de cenas externas nas inserções, mas o estrago estava feito. Desta vez, a estratégia está nas mãos de Lula Guimarães, que ajudou a eleger João Doria (PSDB) à Prefeitura de São Paulo, em 2016, e cuidou da campanha de Marina Silva em 2014.

Em março deste ano, quando ainda não tinha assumido a campanha de Alckmin, Guimarães disse em entrevista que “o eleitor brasileiro deve estar em busca de um candidato que possa oferecer uma certa segurança, ou seja, a possibilidade de governar com responsabilidade, saber lidar bem com o Congresso, saber da gestão pública”. “Provavelmente um candidato muito inexperiente não sobreviva aos argumentos apresentados por outros candidatos”, comentou o marqueteiro, que também destacou a necessidade de o presidenciável não ter muito envolvimento com corrupção, apesar de os últimos escândalos terem deixado o eleitor mais leniente em relação a esse tema.

Neste ano, os tucanos montaram a maior coligação exatamente por apostar na força da campanha. de televisão. Além dos 5 minutos e 32 segundos por programa eleitoral, a reunião de nove partidos por meio de entendimento com o Centrão dará a Alckmin direito a 434 inserções de 30 segundos a serem distribuídas ao longo da programação de rádio e televisão durante os 35 dias de eleição. Desde 1994, os detentores dos dois maiores tempos de TV ou ganharam a eleição ou foram para o segundo tuno. Em 1989, o hoje senador Fernando Collor (PTC-AL) passou para o segundo turno com metade do tempo de propaganda dos dois candidatos mais destacados, mas, assim como todos os nanicos daquela eleição, ele tinha expressivos cinco minutos para falar.

Para se ter uma ideia da expressividade da exposição de Alckmin ao longo do horário eleitoral, a segunda candidatura com maior tempo é a do PT, com 2 minutos e 23 segundos de programa e 189 inserções. O terceiro lugar entre os tempos de propagada é do ex-ministro Henrique Meirelles ((MDB), com 1 minuto e 55 segundos e 151 inserções. Se Meirelles seguir o tom de sua campanha virtual, será um dos maiores críticos de Bolsonaro na televisão. O senador Alvaro Dias (Podemos-PR), que se apresenta como candidato anticorrupção e maior defensor da Operação Lava Jato, terá 40 segundos e 53 inserções; Ciro Gomes (PDT) vem com 38 segundos e 51 inserções; e Marina Silva, 21 segundos e 29 inserções.

Redes sociais

Neste ano, a expectativa sobre o impacto das redes sociais na campanha está maior do que nunca, ainda que os especialistas ainda não ousem botar em questão a vantagem da exposição no horário gratuito. Líder nas pesquisas sem Lula, que agora está oficialmente fora da disputa, Bolsonaro terá apenas 8 segundos de programa e 11 inserções. O tempo é tão curto que ele já avisou que, durante o programa, pretende chamar os telespectadores para a Internet, onde terá mais tempo para falar por meio de transmissões ao vivo.

Ao contrário de Bolsonaro, que tem 5,6 milhões de seguidores no Facebook, Alckmin não tem uma infraestrutura virtual capaz de acompanhar o poder televisivo de sua coligação — na mesma rede, o perfil do tucano tem apenas 935.000 seguidores. Na semana passada, seus assessores publicaram uma nota de esclarecimento após o Estado de S.Paulo noticiar trocas na equipe responsável pela gestão das redes sociais da campanha, cujos resultados não estariam agradando. “A coordenação de comunicação da campanha de Geraldo Alckmin esclarece que Marcelo Vitorino continua como responsável pelas ações de estratégia na área digital, agora com foco na mobilização, que tem como um dos objetivos combater notícias falsas e boatos disseminados em redes sociais e veículos de comunicação, arma prioritariamente utilizada pelos adversários”, dizia a nota.

Independente da razão da mudança na campanha de Internet, o desempenho recente de Alckmin nas redes sociais não é nada bom. Desde o dia 1º de maio, o tucano amarga tímidas derrotas diárias em seus perfis, perdendo mais seguidores do que ganha em boa parte dos dias. As perdas acabaram revertidas no balanço dos três últimos meses (maio, junho e julho), que registram um crescimento de 12.146 fãs no Facebook. Para se ter uma ideia da distância de Alckmin nesse terreno para alguns de seus concorrentes, Bolsonaro ganhou 291.496 fãs no mesmo período, e João Amoêdo (Novo), o candidato que mais cresceu nas últimas semanas, somou mais 1.150.981 seguidores em sua página. Com informações do  El País

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/08/27/politica/1535381390_981609.html

Imagem:Alckmin com eleitores durante evento de campanha no Rio de Janeiro. DIVULGAÇÃO CAMPANHA GERALDO ALCKMIN

Sobre o autor

Redação

Redação

Deixe um Comentário

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
%d blogueiros gostam disto: