Novo ministro do Meio Ambiente tem trajetória ligada a entidade que apoiou “boiada”

Joaquim Álvaro Pereira Leite atuou na Sociedade Rural Brasileira, que apoiou declaração de Salles em reunião ministerial

O novo ministro Joaquim Álvaro Pereira Leite ao lado do presidente Jair Bolsonaro - Reprodução/Redes Sociais
O presidente Jair Bolsonaro nomeou o administrador de empresas Joaquim Álvaro Pereira Leite para substituir Ricardo Salles no comando do Ministério do Meio Ambiente.

Pereira Leite foi conselheiro da Sociedade Rural Brasileira (SRB) por 23 anos, entidade que defende os interesses de empresas do agronegócio brasileiro.

Antes de ser indicado para a chefia do ministério, ocupava o cargo de secretário da Amazônia e Serviços Ambientais, posto em que estava alocado desde abril do ano passado.

Em julho de 2019, entrou na equipe da gestão de Salles no Meio Ambiente como diretor do Departamento Florestal do ministério.

Leia também: PF apreendeu mais madeira ilegal em cinco meses de 2021 do que em 2018, 2019 e 2020

Salles tem longa relação com Pereira Leite. O demissionário atendeu, ainda como advogado, a SRB em diversas causas relacionadas ao agro, antes de assumir posições no poder público.

Consta no site da SRB que o grupo apoia a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), conhecida como bancada ruralista. Além disso, a entidade já se posicionou publicamente em apoio a Salles.

:: Moradores de Caraíva acusam Salles de lobby por empresário com construção irregular ::

A demonstração mais recente, no entanto, foi no dia 22 de abril de 2020, quando foi divulgado o vídeo de uma reunião ministerial em que Salles diz ao presidente Jair Bolsonaro que ele deveria aproveitar que a cobertura da imprensa voltada para o coronavírus e “passar a boiada” na área ambiental. Poucos dias depois, a entidade divulgou uma nota de apoio à gestão de Salles.