Saiba quem são os senadores da "tropa de choque" de Bolsonaro na CPI da Covid

28

Na abertura da primeira reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, nesta quinta-feira (29), Marcos Rogério (DEM-RO) foi o primeiro senador a se inscrever para falar.
Durante mais de oito minutos, defendeu que todas as sessões sejam presenciais, assunto que já havia sido discutido e deliberado pelos parlamentares. Após quase uma hora de debate, o presidente CPI, Omar Aziz (PSD-AM), indeferiu o pedido.
“Nós já tínhamos discutido isso. Essa é uma pauta que já está definida. Vai ser semipresencial? Vai, vai ser semipresencial”, explicou Aziz.
Depois, foi a vez do relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), repreender Rogério. “Estamos diante de uma evidente obstrução. Essa comissão deveria ter sido instalada em fevereiro. Os senhores e o governo não quiseram a instalação. Hoje, nós chegaremos a 400 mil mortos”.
Entre os 11 senadores que integram a CPI da Covid, Rogério é um dos quatro governistas, ao lado de Jorginho Mello (PL-SC), Eduardo Girão (Podemos-CE) e Ciro Nogueira (PP-PI). Durante a primeira reunião, os bolsonaristas tentarão lançar mão de diversos recursos para atrasar os trabalhos da comissão.
Jorginho Mello e Ciro Nogueira protocolaram cinco requerimentos que, segundo o jornal O Globo, teriam sido produzidos pelo Palácio do Planalto.
Durante a reunião desta quinta (29), o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) questionou a medida e afirmou que a CPI não pode ser pautada pelo governo. Para o senador, os bolsonaristas se organizaram para propor cerca de 20 requerimentos.
“Vamos aprovar se for assinado por um senador. O senhor não vai impedir de votar nenhum requerimento, não. Eu sei quais são os requerimentos que o senhor não quer”, afirmou Ciro Nogueira.
Os governistas querem convocar a médica Nise Yamaguchi, bolsonarista e defensora do tratamento precoce e do uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19, como a ivermectina e a cloroquina. Ela chegou a ser cogitada para assumir o Ministério da Saúde após a saída de Nelson Teich.
Em seguida, Calheiros subiu o tom e acusou os governistas de tentarem usar politicamente a CPI para reparar a imagem com seus eleitores nos estados.
“Não podemos votar requerimento para tirar o foco da investigação que estamos fazendo. O Brasil não vai perdoar nenhum dos senhores que está fazendo isso”.
Rogério respondeu: “O relator deve respeitar o Senado Federal. Essa CPI não pode ser a CPI do ódio. Afasta o seu ódio, senador. Acalme-se, senador. Respire”. O bate-boca durou quase uma hora, até que Aziz colocasse um ponto final na contenda e determinasse o início da votação dos requerimentos.
Em poucos segundos, os senadores aprovaram a convocação dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich, Eduardo Pazuello e do atual ministro, Marcelo Queiroga, além do presidente da Anvisa, Antônio Barros Torres.
Em seguida, outros 300 requerimentos foram aprovados. Os senadores encaminharam ao governo federal e estados pedidos de informação sobre as medidas tomadas durante a pandemia.
Irritado, Renan Calheiros enviou um recado à minoria bolsonarista na CPI, no final da sessão. “Essa coisa de tropa de choque vir aqui defender coisa indefensável do governo, não vai passar”.
A próxima reunião da comissão será na terça-feira (4), quando o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, prestará seu depoimento.
Ciro Nogueira
Conhecido nos corredores do Palácio do Planalto como “zero cinco”, Nogueira se tornou o primeiro aliado de Jair Bolsonaro no Senado. Líder do governo na Casa, o presidente do Progressista costuma usar suas redes sociais e entrevistas para elogiar as ações do mandatário.
Entre os pares, na CPI da Pandemia, Nogueira é conhecido como “tesoureiro”, pois carrega embaixo do braço as propostas do governo para amenizar o clima contra Bolsonaro na comissão.
Em fevereiro de 2020, a Procuradoria-Geral da República o denunciou por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O senador teria recebido R$ 1,6 milhão pelo sistema de propina da Odebrecht, de acordo com a delação de diretores e executivos da construtora.
Na CPI da Pandemia, foi escalado para chefiar a diminuta ala governista durante as sessões.
Jorginho Mello
Vice-líder do governo no Senado, Jorginho Mello é figuração comum nas viagens e discursos de Jair Bolsonaro. Recentemente, acompanhou o presidente em viagem a Chapecó (SC), município elogiado por bolsonaristas pelo combate à covid-19, mas que é o terceiro em número de mortes em Santa Catarina, com 585 óbitos.
No oeste catarinense, defenderam o tratamento precoce, que inclui medicamentos sem comprovação cientifica.
Na reunião preparatória da CPI da Pandemia, Mello se apressou em defender o afastamento de Calheiros, opositor de Bolsonaro, da relatoria da comissão. Com a adesão apenas do bloco governista, o alagoano foi confirmado no cargo.
Marcos Rogério
Representante de Rondônia no Senado Federal, Marcos Rogério não poupa elogios ao governo federal e é considerado um importante aliado do Palácio do Planalto. Recentemente, reverberou o discurso de Bolsonaro e pediu que as igrejas fossem mantidas abertas durante a pandemia.
Em agosto de 2020, foi convidado para ser vice-líder do governo no Senado durante um almoço promovido pelo deputado federal Fábio Ramalho (MDB-MG), com a presença de Bolsonaro. No evento, que ocorreu em meio à pandemia, os convidados não usaram máscaras e nem respeitaram o distanciamento social.
Eduardo Girão
Após a candidatura fracassada à presidência da CPI da Pandemia, quando recebeu apenas 3 votos, Girão protocolou um requerimento solicitando que governadores e prefeitos sejam convocados para depôr na comissão.
A pauta tem relação umbilical com o discurso de Bolsonaro que, para se defender da responsabilidade pelas 400 mil mortes geradas pelo coronavírus, imputa culpa aos mandatários dos estados e municípios.
Outra pauta do presidente, encampada por Girão, é a oposição ao Supremo Tribunal Federal (STF). Em março, entregou ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), um pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes, inimigo dos bolsonaristas, após recorrentes decisões contra o governo.
Com R$ 36 milhões de bens declarados, Girão é o quarto congressista mais rico do Brasil e usou a imagem de Bolsonaro para se eleger, em 2018, no Ceará, onde lidera o bloco de oposição aos irmãos Ferreira Gomes, Cid e Ciro.
Com informações Brasil de Fato
responsivevoice_button voice=”Brazilian Portuguese Female”]