Mundo

Sobe para 212 o número de mortos em manifestações na Nicarágua

Gilson Azevedo
Escrito por: Gilson Azevedo
Desde 18 de abril, a Nicarágua está mergulhada na crise sociopolítica mais sangrenta ocorrida desde os anos 1980

balanço da repressão das manifestações contra o Governo na Nicarágua subiu para 212 mortos, anunciou a Comissão Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH) nesta sexta-feira (22).

“A ação repressiva do Estado fez pelo menos 212 mortos e 1.337 feridos até 19 de junho, [em pouco mais de dois meses, e] até 06 de junho mais de 500 pessoas foram detidas”, indicou a CIDH, ao apresentar o seu relatório final sobre a crise na Nicarágua, no Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA), numa sessão transmitida em direto pela televisão nicaraguense.

A CIDH concluiu que “a violência estatal visava dissuadir a participação nas manifestações e a sufocar essa expressão de oposição política”, no documento com cerca de uma centena de páginas apresentado na sessão extraordinária daquele órgão da OEA, e instou ainda o Governo nicaraguense a “encontrar uma solução constitucional, democrática e pacífica para esta crise dos direitos humanos”.

Mudança de opinião de Trump sobre crianças não tem sentido, diz ONU

O ministro dos Negócios Estrangeiros nicaraguense, Denis Moncada Colindres, reagiu ao relatório da CIDH classificando-o como “parcial” e assegurando que “não é política de Estado a repressão das forças sociais”.

“A Nicarágua rejeita de forma integral o relatório da CIDH por considerá-lo totalmente parcial” declarou Moncada Colindres numa intervenção também feita no Conselho Permanente da (OEA), com sede em Washington.

Hoje, o país amanheceu em relativa calma, após uma intensa jornada na cidade de Masaya em que, segundo ativistas da Associação Nicaraguense Pró-Direitos Humanos (ANPDH), a intervenção dos bispos da Igreja Católica evitou “um massacre” em que teriam morrido dezenas de pessoas, num ataque iminente das “forças combinadas”, compostas por polícias antimotim, “parapolícias”, “paramilitares” e grupos de choque leais ao Governo.

Apesar de o ambiente continuar tenso, o comércio reabriu nesta sexta, embora de forma tímida, e o trânsito automóvel aumentou.

Homens vestidos à paisana, encapuzados, com a bandeira da governante Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) e fortemente armados com espingardas que só se veem nas mãos de polícias e militares (AK-47, M16 e Dragunov) mantêm-se em pontos estratégicos de Manágua.

Em cidades como Masaya, Rivas, León e na própria capital, os civis ergueram mais barricadas ou escavaram trincheiras para evitar novos ataques das “forças combinadas” do Governo do Presidente Daniel Ortega.

O diálogo nacional destinado a encontrar uma solução para a crise foi suspenso na passada segunda-feira (18), devido aos constantes incumprimentos do Governo dos compromissos assumidos com a Aliança Cívica para a Justiça e a Democracia.

Desde 18 de abril, a Nicarágua está mergulhada na crise sociopolítica mais sangrenta ocorrida desde os anos 1980, também com Daniel Ortega como presidente.

Os protestos contra Ortega e a mulher, a vice-presidente Rosario Murillo, começaram por causa de reformas fracassadas da segurança social e transformaram-se depois em exigências de demissão do chefe de Estado, depois de 11 anos no poder, alvo de acusações de abuso de poder e corrupção. Com informações da Lusa e Notícias Ao Minuto.

Imagem de capa:Lusa

Sobre o autor

Gilson Azevedo

Gilson Azevedo

Jornalista - MTB 0081 948/SP.
Simplesmente apaixonado por boteco.
Contato: gil@z1portal.com.br

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: