Comportamento Vitor Carneiro

Supervalorizando a falta do nosso tempo

Vitor Carneiro
Escrito por: Vitor Carneiro

Por Vítor Carneiro – Escrever sobre este tema, muito provavelmente, tem mais a ver comigo do que com quem tiver a oportunidade de apreciá-lo. Dia após dia parece que sou dominado pela ansiedade das tantas atividades e a limitação do tempo que possuo para executá-las. A sensação é de não desfrutar muitas das coisas importantes da vida, seria como estar comendo sempre uma refeição que mal saiu do fogo e sua quentura não permite o desfrutar do paladar da mesma. Aprendi duas coisas simples sobre esta questão: Primeiro, ingerir bebidas ou comidas muito quentes pode produzir alterações no paladar e segundo, que casos muito severos de perda de paladar podem levar à depressão, porque as pessoas deixam de desfrutar do prazer de comer e beber. DEPRESSÃO POR NÃO DESFRUTAR DO PRAZER, provavelmente esta é a grande questão a ser observada na questão da falta de tempo.

Na verdade, parece que nos tornamos pobres viciados em gostar de SUPERVALORIZAR A FALTA DO NOSSO TEMPO. E assim, desenvolvemos ansiedades diversas justamente pela falta de tempo que tanto supervalorizamos. Talvez o mais triste é a sensação de que não conseguimos aproveitar um “mundo” das opções revigorantes que estão ao nosso dispor, e dentre elas a de relacionamentos saudáveis com nossos familiares e amigos. Por isso, não é difícil encontrar pessoas totalmente estafadas pelo excesso de trabalho e agendas supervalorizadas.

Quem corrompe as coisas importantes e valorosas da vida somos nós seres humanos. Exercemos um poder destruidor, mas acreditem, felizmente, também podemos sonhar, gerar, desenvolver, construir e desfrutar.

Não a como negar que o excesso de atividades, geralmente, é a causa de um desgaste muito maior do que se deveria, gerando estresse e ansiedade. O tempo gasto no ambiente de trabalho e no executar de outras tarefas pode acabar prejudicando os momentos que poderiam ser aproveitados com pessoas queridas. Resultado disso: A sensação de insatisfação que fica evidente e a partir de então, toda uma vida começa a perder o sentido e como consequência problemas mais graves de saúde física e emocionais podem se manifestar.

Será que realmente estamos esgotados ou estressados pela quantidade de trabalho e outras atividades, ou pela falta de habilidade em gerenciar o nosso tempo?

Fato é que: muitos de nós, mas muitos mesmos, temos dificuldade em administrar bem nosso tempo, consecutivamente acabamos perdendo o foco nas tarefas, ocasionando assim o acúmulo de pendências e daí a real sensação de que faltou tempo. E na tentativa de nos justificar, acabamos por supervalorizar a falta do nosso tempo!

Precisamos aprender a dizer não para alguns compromissos. Acredito que juntos podemos chegar à conclusão que nosso problema não é falta de tempo e sim uma gestão equivocada do mesmo. Será que no nosso cotidiano não existe um certo desperdício de tempo com futilidades que dão a falsa impressão de aproveitamento? Só para refletirmos um pouco.

Talvez ao ler este texto você esteja pensando: “…Isso é fantástico, mas não serve para mim, pois tempo é dinheiro e eu preciso trabalhar”. Novamente, talvez seja um bom momento para repensar sobre a questão de valores pessoais.

Se de fato estamos supervalorizando nossa falta de tempo, podemos entender que não precisamos ficar escravos dessa situação. Acredito que desde que começou a ser “medido”, se assim posso dizer, o tempo tem o mesmo formato e provavelmente houve épocas em que esse mesmo período para inúmeras pessoas parecia ser uma eternidade.

Então o que faz com que o tempo assuma realidades diferentes nos tempos modernos certamente é a forma como estamos vivendo os nossos dias e como nos relacionamos com as atividades que temos que realizar. Acredite, a vida se tornou mais rápida e por isso nossa noção de tempo também mudou, exemplo disto são: Os deslocamentos diários (casa, trabalho, colégio, faculdade, mercado, shopping, banco, lojas e…), ou seja, um vai e vem constante de pessoas, produtos e serviços. As trocas de informações e seus meios, a realização das várias atividades (domésticas, profissionais, saúde física, profissionalizantes, entretenimento e…) tudo se tornou mais rápido e desde então tudo que se produz é pensando em agilidade e redução de tempo gasto.

Um texto clássico das Sagradas Escrituras pode nos levar a uma magnifica reflexão sobre o assunto: Eclesiastes capitulo 3 dos versículos um ao 13 – “Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu: tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou, tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de construir, tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de dançar, tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las, tempo de abraçar e tempo de se conter,

tempo de procurar e tempo de desistir, tempo de guardar e tempo de lançar fora, tempo de rasgar e tempo de costurar, tempo de calar e tempo de falar, tempo de amar e tempo de odiar, tempo de lutar e tempo de viver em paz. O que ganha o trabalhador com todo o seu esforço? Tenho visto o fardo que Deus impôs aos homens. Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez. Descobri que não há nada melhor para o homem do que ser feliz e praticar o bem enquanto vive. Descobri também que poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho, é um presente de Deus.”

Bem, só reforçando que as consequências da falta de tempo no mundo moderno são, ansiedade, correria, urgência, um estado de alerta constante e a impressão que não há tempo para fazer tudo que é preciso. Tentar dar conta de tudo, acumular tarefas e não tirar férias, é um atalho para a frustração. Afinal, todos nós nutrimos medos e esperanças!

“FALTA DE TEMPO É DESCULPA DAQUELES QUE PERDEM TEMPO POR FALTA DE PLANEJAMENTO” disse Albert Einstein.

Resumindo, O acúmulo de compromissos preenche nossos horários livres, adia o lazer e a vida social, dando a impressão de que o tempo passa cada vez mais rápido e muitas das vezes supervalorizamos isso. Dentre os principais motivos para que isso aconteça está o aumento de tarefas e obrigações que nos envolvemos nos dias de hoje e que vem se tornando uma maneira de viver. A questão é sempre de escolhas. Temos de procurar pensar em como mudar esse panorama.

Necessitamos ser melhores gestores do nosso tempo e não supervalorizar a falta dele como desculpas para aquilo que não estamos desfrutando. Novamente utilizando as palavras de Salomão, “tudo neste mundo tem o seu tempo; cada coisa tem a sua ocasião… Então entendi que nesta vida tudo o que a pessoa pode fazer é procurar ser feliz e viver o melhor que puder”.

Não podemos nos tornar vítimas do tempo, precisamos repensar nossos objetivos de vida; O tempo é algo precioso, desperdiça-lo não é uma coisa saudável! Ter consciência que em certos momentos precisamos “ir mais rápido” e em outros podemos “ir com mais calma” pode ser um caminho para uma vida mais leve e feliz.

“Tenho observado que muitos passam à frente durante o tempo perdido pelos outros”. Henry Ford.

Imagens: Reprodução

Sobre o autor

Vitor Carneiro

Vitor Carneiro

Vítor Carneiro, é pastor e palestrante.

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: