Z1 Cidades

Valinhos: 22% de GMs não passam em prova de tiro

Redação
Escrito por: Redação
Uma prova básica de tiro mostrou que 22% dos guardas municipais de Valinhos não sabem atirar. De um efetivo de 104 agentes, 23 deles não conseguiram acertar o mínimo exigido de 60% dos alvos, em um estande de tiro, e foram reprovados em um prova de requalificação. Assim, 28 guardas – incluindo outros cinco que não fizeram o exame – terão que entregar suas armas esta semana para o comando da Guarda Municipal e tiveram o direito ao porte de armas particulares suspenso.
Eles saem das ruas e passam a fazer trabalhos administrativos e vigilância desarmada.
A secretária de Defesa do Cidadão e vice-prefeita Laís Helena, considera o índice muito alto. “Temos que analisar o que aconteceu para podermos determinar os motivos desse grande número de guardas inaptos para o tiro. Há uma necessidade de reorganização da corporação e um desses fatores que precisam ser verificados é o preparo dos agentes para um atendimento de qualidade à população”, afirmou.
A secretária informou que os guardas considerados inaptos para o trabalho na rua serão conduzidos pelo comando da corporação para atividades administrativas dentro da Secretaria de Defesa do Cidadão, além de vigilância desarmada em escolas, apoio a ações de trânsito também em escolas e instruções dentro da própria GCM.
Na prova, realizada na Academia da Guarda Municipal de Campinas, os guardas precisam acertar pelo menos 60% de precisão em tiros nos alvos. Um desses alvos era uma figura representando o corpo humano, colocada a uma distância de sete metros. A mesma pontuação foi exigida contra um alvo colorido, também fixo e na mesma distância. As provas foram realizadas usando as mesmas armas que os guardas manuseiam no dia a dia em Valinhos: pistola 380 e revólver calibre 38.
“Precisamos cobrar mais treinamento desses agentes no futuro para evitar problemas assim. Saber usar uma arma é um requisito básico para quem exerce função na área de segurança pública”, disse Laís Helena.
As provas ocorrem em Campinas por meio de um convênio entre as duas cidades, para atualizar os profissionais da Guarda. Os profissionais foram para o estande de tiro em fevereiro e a requalificação incluiu quatro disciplinas – meio ambiente (nove dias de aulas); técnicas operacionais (seis dias); armamento, munição e tiro (nove dias); primeiros socorros (dez dias).
Os guardas reprovados terão a chance de reverter o quadro em um novo exame prático. As novas provas estão marcadas para os dias 10 e 17 de abril, na Academia da Guarda Municipal de Campinas. Já os outros cinco guardas reprovados por não realizarem o exame só poderão tentar outra vez em 2019.
Antes de atirar, os guardas de Valinhos foram submetidos a uma série de aulas com vídeos, exercícios e discussões sobre o assunto.
Segundo a vice-prefeita, que assumiu a Secretaria em janeiro passado, a corporação passa por algumas mudanças, especialmente no que se refere às questões de hierarquia/comando, descrição de funções dos agentes e convivência dentro da própria Guarda. “Temos avançado nesse sentido e acredito que esse tipo de gestão mais aberta ao diálogo possa trazer frutos em breve, inclusive com melhores resultados em provas de tiro e requalificação”, disse.
Imagem: Cedoc/RAC
Com informações do Correio Popular

Sobre o autor

Redação

Redação

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: